Membros dos Fóruns Locais fazem recomendações para integrar a Agenda 21 às políticas públicas municipais

Fonte: Website da Agenda 21 Comperj.

20/09/2012

Curso da UFF tem sua última aula presencial, mas as atividades permanecem até 30 de novembro

A primeira turma do curso de extensão semi-presencial para “Formação de Lideranças Sociais e Políticas em Cidades Sustentáveis, com foco em Saneamento Ambiental”, oferecido aos representantes dos 14 Fóruns das Agendas 21 Locais do Leste Fluminense pelo Programa de Extensão Ecocidades credenciado pela Pró-Reitoria de Extensão da UFF, teve sua última aula presencial no dia 15 de setembro. Com o objetivo de formar lideranças sociais e políticas que contribuam para o desenvolvimento mais sustentável de cidades, a capacitação aconteceu entre os meses de agosto e setembro no Centro de Integração de São Gonçalo (Cisg).

O último encontro foi dedicado à construção de propostas dos Fóruns Locais com a finalidade de fomentar a articulação entre as Agendas 21 e as políticas públicas municipais. Para esse objetivo, os alunos, agrupados por município, se reuniram com suas respectivas tutoras e colocaram no papel algumas recomendações, divididas por temas, dentre eles comunicação e mobilização social, capacitação dos membros e comunidade, educação ambiental, coleta seletiva, saneamento básico e articulação com os conselhos municipais e poder público local.

Os participantes contaram com a presença de Akinyinka Akinyoade, pesquisador do Centro de Estudos Africanos (ASC) da Universidade de Leiden (Holanda), Bacharel em Geografia, Mestre em Demografia e Doutor em Desenvolvimento Rural. Por sua participação em pesquisas sobre os impactos ambientais e sociais da indústria de petróleo na Nigéria, Yinka foi convidado, em cooperação internacional, pela Coordenadora do Programa de Extensão Ecocidades.

Em seu currículo, o nigeriano possui ainda conhecimento sobre as estratégias e políticas públicas, empresariais e da sociedade civil acerca da gestão territorial e governança para o desenvolvimento sustentável.Segundo ele, o grande problema em casos como esse é a deficiência na integração entre a população e os agentes locais, e a iniciativa das Agendas 21 dos municípios do Leste Fluminense é um grande exemplo dentro e fora do Brasil. “Ninguém no mundo está fazendo isso, o Brasil é pioneiro. Quando conseguimos articular todos por uma única causa fica mais fácil agir”, afirmou Yinka.

Para Patrícia Ashley, coordenadora pedagógica do curso, os objetivos da formação foram atingidos. “Fiquei muito satisfeita com os resultados da avaliação, pois os alunos afirmaram que o conhecimento passado foi muito importante e oportuno para a formação deles. A estrutura do curso, organizado em um módulo teórico e outro prático, e o material digital e impresso facilitaram tanto o aprendizado quanto a multiplicação da informação para os demais membros e comunidade”, afirma. Segundo ela, o trabalho propõe um esforço de mobilização das atuais e novas lideranças sociais e políticas, que permite que cada membro possa articular individual e coletivamente a reverberação de conteúdos abordados, incentivando um estilo de liderança compartilhada em âmbito local.

Alda Maria, membro do Fórum de Nova Friburgo, confirma a satisfação com a capacitação. Para ela, o programa do curso apresenta não só excelência pedagógica e didática, mas também excelência de oportunidades. “O curso, mais que acolher e permitir uma troca de conhecimento imensa, abriu um portal para todos os municípios do Conleste e nos deu bagagem para levar esse conhecimento também para nossa comunidade”, disse.

Já Carmem Motta, acrescentou que “com esse aprendizado é possível empoderar a comunidade e torná-la capaz de fazer propostas mais coerentes e buscar recursos no 1º setor, ou seja, permitir que tenha mais voz”. Coordenadora do Fórum de Rio Bonito, ela considera a iniciativa do curso muito boa, pois trouxe esclarecimentos para todos, principalmente sobre articulação e transparência.

Com recursos do Governo Federal por meio do Programa de Extensão do Ministério da Educação e do Programa Nacional de Capacitação das Cidades do Ministério das Cidades, em parceria com a Petrobras, através do projeto Agenda 21 Comperj, e a Controladoria Geral da União (CGU), o Programa de Extensão Ecocidades se desdobra em três módulos de serviços para a sociedade e agentes públicos: formação, por meio desse curso de extensão;informação, com todo o material disposto no site do Ecocidades e indicação de outras fontes de consulta; e assessoramento, com apoio e orientação da equipe remotamente por meio do formulário Fale Conosco via site.

As aulas do mês de agosto abordaram a importância dos valores que atribuímos como critérios em processos de decisão individual e coletiva, as atribuições dos Governos Federal, Estadual e Municipal, transparência e controle social, além da política nacional de saneamento e o plano participativo de saneamento básico.

PRÓXIMOS PASSOS:

Os participantes da capacitação ainda terão uma 3ª avaliação prática, a ser realizada até 30 de novembro. Esta última fase do curso de extensão, que representa 20% do grau a ser obtido pelos alunos, tem como foco areverberação do conteúdo dos módulos teórico e prático já trabalhados nos meses de agosto e setembro. Para isso, cada grupo de alunos, por município, preparará em conjunto um Plano de Atividades propostas a serem executadas individual ou coletivamente no período após as eleições municipais e até o prazo da última avaliação, para disseminar o aprendizado para seus respectivos Fóruns e comunidade e atrair parceiros e novos integrantes para a Agenda 21 Local.

O curso conta também com um blog em que os membros – após o período de eleições – poderão relatar as atividades realizadas ao longo do planejamento e execução da 3ª avaliação, e apresentar para todos os representantes dos 14 municípios o que está sendo realizado em cada um deles. Segundo a professora Patrícia, essa interação permite criar um leque de possibilidades que contribuem para apresentação e replicação de boas práticas entre os fóruns locais da Agenda 21, além de criar uma comunidade de aprendizagem coletiva.

Compartilhe este artigo